Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas 2013

3. 1472932_517845578322568_1462621321_n

As magníficas fotos de Isabel Santiago Henriques recordam o Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas, comemorativo do 1º de Dezembro (2013). Álbum completo aqui.

Aqui, fica o registo com os agradecimentos do Movimento 1º de Dezembro.

Participações especiais:
– TocáRufar (Seixal – distrito Setúbal)
– Grupo de Bombos de Mondim de Basto (Atei) (Mondim de Basto – distrito de Vila Real)
– Grupo de Cantares “Os Cigarras” (Aljustrel – distrito de Beja)

Bandas Filarmónicas:
– Distrito de Lisboa: Sociedade Filarmónica União e Capricho Olivalense (Lisboa)
– Distrito de Aveiro: Sociedade Recreativa e Musical 12 de Abril de Travassô (Águeda)
– Distrito de Braga: Banda Musical Cabeceirense (Cabeceiras de Basto)
– Distrito de Bragança: Associação Banda 25 de Maio (Macedo de Cavaleiros)
– Distrito de Castelo Branco: Banda Filarmónica Retaxense (Castelo Branco)
– Distrito de Castelo Branco: Filarmónica Idanhense (Idanha-a-Nova)
– Distrito de Coimbra: Phylarmónica Ançanense (Cantanhede)
– Distrito Évora: Sociedade União Alcaçovense (Viana do Alentejo)
– Distrito de Faro: Sociedade Filarmónica Portimonense (Portimão)
– Distrito da Guarda: Sociedade Recreativa e Musical Loriguense (Seia)
– Distrito de Leiria: Sociedade Filarmónica Senhor dos Aflitos do Soutocico (Leiria)
– Distrito Portalegre: Filarmónica do Crato (Crato)
– Distrito do Porto: Banda Musical da Casa do Povo de Santa Marinha do Zêzere (Baião)
– Distrito de Santarém: Sociedade Instrução Coruchense (Coruche)
– Distrito de Setúbal: Sociedade Filarmónica Humanitária (Palmela)
– Distrito de Viana do Castelo: Banda Musical do Centro Paroquial de S. Martinho da Gandra (Ponte de Lima)
– Distrito de Vila Real: Banda Musical da Torre do Ervededo (Chaves)
– Distrito de Viseu: Sociedade Filarmónica Lobelhense (Mangualde)

Foram 21 agrupamentos e cerca de 1200 músicos, provenientes dos mais diversos pontos do país que desceram a Avenida da Liberdade, para celebrar Portugal, a Independência e a Restauração através de uma merecida homenagem a esta prática musical e à importante acção formativa e cívica das bandas filarmónicas.

Tendo como ponto de partida o Monumento aos Mortos da Grande Guerra, o desfile desceu até à Praça dos Restauradores para uma interpretação conjunta final das bandas participantes sob a direcção do maestro da banda anfitriã, a SFUCO – Sociedade Filarmónica União e Capricho Olivalense.

Ao longo do desfile, foram interpretadas várias marchas, bem como o Hino da Restauração. O alinhamento do momento colectivo contou com a interpretação por todos dos hinos da Maria da Fonte, da Restauração e Nacional.